Inscritas as teses nacionais ao 6º Congresso

E a tese “Unidade pela Reconstrução do PT”, desenvolve os cinco pontos que deram a base para as chapas municipais e estaduais e afirma em seu preâmbulo: “O golpe do impeachment criou uma situação difícil para o povo trabalhador no Brasil, é verdade. Porém, no ano do centenário da Revolução Russa de 1917 que nos…

Ceará: Unidade pela Reconstrução Socialista

A partir da confluência de militantes do Núcleo petista “O PT Vive” em tor­no dos 5 pontos lançados pelos Militantes pela Reconstrução, abriu-se no PT-CEARÁ um debate que visava a constituir uma chapa para concorrer ao PED. No curso dos debates, particularmente a partir da luta contra o voto dos parlamentares petistas em golpistas para as mesas do Senado e da Câmara, avançou a constituição de uma chapa com os membros do núcleo, do Diálogo e Ação Petistas, do agrupamento Casa Vermelha e das correntes Articulação de Esquerda e Resistência Socialista.

Santa Catarina com o movimento sindical e popular

A chapa Unidade Pela Reconstrução do PT foi construída por iniciativa do Dialogo e Ação Petista, em plenárias e reuniões com petistas em torno dos 5 pontos pela reconstrução. A chapa é composta por 60 militantes que atuam nos movimentos sindical, es­tudantil, popular, além de parlamentares do partido. Na sua composição estão vários dirigentes do PT, da CUT, UCE, MNU, UFECO, além do único vereador eleito (aliás, reeleito) pelo PT em Florianópolis, Lino Peres, integrante do DAP.

Unidade pela Reconstrução na Bahia

A chapa estadual, Unidade pela Reconstrução, foi inscrita com 106 petistas de 16 municípios, com a presença de dirigentes do Sindpec, Sindvigilantes, Sindalimentação, comerciários, ferroviários e militantes do movimento negro, de mulheres e de jovens. A plataforma da chapa integra pontos estaduais que cobram do governador Rui Costa (PT) o fim das privatizações no metrô e hospitais, e posição contra as medidas do golpista Temer, como a privatização da Petrobras.

Plenária de chapas zonais em São Paulo

Em 12 de março, na sede do estadual do PT de São Paulo, membros da chapa vindos de várias zonais da capital e de cidades da grande São Paulo deram o pontapé inicial na batalha das próximas semanas. Os presentes decidiram marchar junto com a CNTE e a CUT, na luta pela retirada da contrarreforma da previdência.